Reader Comments

A Estante Do Colecionador E A Segunda Parte Das Novidades De Junho

by Paulo Thomas Dias (2018-04-24)


estante para vinilSendo assim, a qualidade é a marca registrada deste colecionador, ele busca por jogos bons que ele vai gostar, porem ele possui uma peculiaridade, ele costuma comprar versões limitadas do seus jogos favoritos, edições normalmente caras, mas que para ele seria a melhor forma de expressar que sente por seus jogos favoritos, este tipo de colecionador não admite jogos loose ( ou seja incompletos), jogos gretets hits ou jogos em péssimas condições físicas(tais características também são seguidas por todos outros colecionadores a seguir exceto consumista) E um tipo bem comum de colecionador até porque ele procura sempre estar com bons jogos para jogar.

Coleciono algumas outras coisas, como miniaturas e livros teóricos sobre quadrinhos, mas claro que não me dedico tanto à elas quanto aos quadrinhos. Mas já tive outras coleções durante a vida: figurinhas de chiclete, do campeonato brasileiro, de moedas, de action figures e, pasmem, de papel de carta.

Apenas pelo prazer de completar uma coleção, terceiro volume de A Era do Apocalipse (Panini, R$ 24,90), chega às bancas e comic-shops esta semana. A saga foi inovadora para os anos 90 nas HQs americanas, mas como envolveu todo universo mutante, resultado ficou bastante irregular. Nesta edição temos os títulos Arma X, X-Man, X-Calibre, Gambit e os X-Eternos e Factor X, além de Amazing X-Men. Ou seja, muita porcaria.

Estante Virtual é site que reúne maior número de sebos do Brasil, sendo mais confiável local para comprar livros usados por um bom preço. Espaços diferentes para objetos e necessidades diferentes. De tudo um pouco em um mesmo móvel. Essa é a premissa de estantes colecionador que possuem aberturas diversas, capazes de abraçar desde livros e vasos até gaveteiros e adegas. E se engana quem pensa que elas precisam ser altas.

Por causa da catalogação no Guia dos Quadrinhos, tenho dado prioridade às edições brasileiras. Mas tenho muita coisa gringa sim. Da França, Argentina, Uruguai, Portugal, Inglaterra, Dinamarca, Rússia, Cuba, Peru. As pessoas costumam me trazer quadrinhos dos países que visitam e eu adoro receber esses presentes, é legal para entender como essa cultura dos quadrinhos funciona por lá.

HQ são imagens sequenciais então, apesar de tentar interferir mínimo possível, sou obrigado a narrar a história original de uma forma diferente, seguindo meu plano de montagem pessoal. Mas nunca coloco personagens novos nem crio situações que não existiam. Quanto aos detalhes, em um livro eles são infinitos, e estão inclusive nas entrelinhas. Muitos deles passam para roteiro. E Rodrigo costuma resgatar muitos outros.

Com tempo, as revistas que não são vendidas vão paras as caixas da próxima foto. Elas ocupam espaço maior da loja, só com revistas mais antigas. É um corredor bem grande com edições de vários anos. Esse espaço é dedicado quase integralmente aos quadrinhos de grandes editoras dos Estados Unidos e da Inglaterra. Talvez seja sensacional para colecionadores em busca de alguma edição avulsa perdida. Quando visito a loja nunca passo muito tempo ali. Meu lugar preferido é uma sala anexa a esse corredor, dedicado aos quadrinhos independentes, que também tem revistas infantis. No momento está abarrotado de obras dedicados a Hora da Aventura.

Sem contar outros cômodos da casa, como quarto das crianças ou até mesmo banheiro, que ficam muito mais elegantes com uso de uma estante artesanal, que vai se adaptar bem em cada cantinho, além de nos deixar muito mais felizes por ter contribuído de forma fantástica na decoração.

estante para carrinhosVolto a este blog motivado pela última matéria sobre as lombadas de coleções em volta do mundo, especificamente pela foto da estante do SEMI. Gostaria de inicialmente agradecer ao Leo por novamente ter me dado (epa!!!) a abertura (opa!!!) para eu escrever neste blog que muito tem me ajudado em minha coleção de quadrinhos.

Eu sou obcecado por organização, então eu gosto de fazer com que a minha coleção tenha um estilo de nomenclatura de arquivos que seja unificado, sequencial e de fácil acesso. Quando os seus quadrinhos vêm de tudo quanto é lugar, isso pode ser um pouco difícil. Alguns programas permitem que você atribua metadados aos seus seus arqivos de quadrinhos, assim como iTunes faz com as suas músicas para organizá-las, mas meu método favorito ainda é de organizá-las usando os nomes de arquivos e uma arquitetura de pastas que faça sentido.

Na casa de Herlandson Carvalho Silva, tem adesivo em tudo quanto é canto. Na porta do quarto, no guarda-roupa, na cama, na estante, na televisão, na geladeira… Difícil haver móvel sem um. Afinal, ele possui cerca de 3.500 adesivos de futebol, um dos maiores acervos do gênero no Brasil. Eles são de mais de 100 clubes brasileiros e de outros 50 países. Coleção inusitada, mas não a única.

Ok, ok, acho que até esse ponto você pode ter se convencido que livros funcionam como meio de comunicação. (Se ainda não estiver, mais um exemplo que mostra a proximidade da literatura com jornalismo e como ambos servem como canal de comunicação: Você sabia que alguns dos grandes clássicos da literatura brasileira foram publicados primeiramente em jornais? A Moreninha de Joaquim Manuel de Macedo é um exemplo. Publicado primeiramente como folhetim - praticamente um ancestral na nossa telenovela - esses livros alimentavam a curiosidade do público e só depois de muito tempo começaram a ser editados e publicados de forma integral, como conhecemos hoje). Agora me diz: Por que HQ não pode cumprir esse papel? Se que conta é estar no produto" jornal, podemos listar centenas de cartunistas que publicam em periódicos.